Home Busca de atividades por localidade
Busca de atividades por localidade

Encontre telefones e endereços de empresas por localidade ou faça uma busca utilizando a caixa acima

MG > Visconde do Rio Branco

Visconde do Rio Branco é um município brasileiro do estado de Minas Gerais. Sua população estimada em 2004 era de 34.726 habitantes.

O Município de Visconde do Rio Branco está situado na Zona da Mata, Região Sudeste do Estado de Minas Gerais. A Zona da Mata é considerada Zona silenciosa da historiografia Mineira. Seu desenvolvimento econômico e social só apareceu no século XIX. O liberalismo, o progresso que a máquina a vapor e a eletricidade trouxeram, assim como o estilo arquitetônico eclético e uma mentalidade nova caracterizam aquela época. A região não teve a influência dos Bandeirantes em sua formação. Por não se encontrarem aqui riquezas em ouro e pedras preciosas, o que era comum em outras regiões do Estado de Minas, é que a Zona da Mata teve seu processo de desenvolvimento retardado. A abertura da estrada nova para o Rio de Janeiro foi, sem dúvida, um importante marco para o progresso da Região, pois ela atravessa a Zona da Mata. Por ela saía toda a produção agrí cola da região, principalmente o café, muito cultivado na Zona da Mata, no século passado. Por esse motivo, esta região tinha maior número de escravos a serviço das plantações de café. Daí começou, realmente, o progresso da Zona da Mata, com a abertura de fazendas e afluxo de pessoas para as plantações.

Visconde do Rio Branco faz parte da Zona da Mata, portanto sua história está, de certa forma, dentro deste contexto. Tem uma história bem mais recente em relação a outros lugares de Minas. Com cerca de 34.000 habitantes, Visconde do Rio Branco fica a uma altitude de 340 metros e dista da Capital do Estado, Belo Horizonte, 320 quilômetros de estrada asfaltada. Nos seus primórdios, a localidade foi sucessivamente chamada de Xopotó dos Coroados, Aldeamento do Presídio, Aldeia do Presídio, Presídio de São João Batista, São João Batista do Presídio, Presídio, Visconde do Rio Branco, Paranhos e Visconde do Rio Branco.

Remontando ao princípio do século XIX, veremos que a su a história ficou marcada com a instalação, em terras do Presídio de São João Batista, do Quartel de Guido Tomaz Marliére que foi o colonizador, o civilizador das Terras Presidienses e da Zona da Mata. Dessa obra participou Padre Manoel de Jesus Maria, que preparou para Marliére todos os caminhos através de seu trabalho catequético junto aos indígenas locais. Esta região, por ter grande concentração de índios, tornou-se o quartel de Guido Marliére, Diretor Geral dos Índios, cujo domínio ia do Vale do Rio Doce a Campos dos Goitacases, no Estado do Rio de Janeiro.

Em 22 de setembro de 1881, através da Lei Provincial nº2.785, se estabelece os foros de vila e Município para o Presídio, o qual tinha sob sua jurisdição os atuais Municípios de Visconde do Rio Branco, Guiricema, São Geraldo, Guidoval, Cataguases, Ubá, Paula Cândido, Muriaé, Miraí, Laranjal e Patrocínio do Muriaé.

Visconde do Rio Branco recebe este nome em 1882 por iniciativa do deputado José Pedro Xavier Ve iga que, ao elevar a vila à categoria de cidade no dia 28 de setembro, homenageava José Maria da Silva Paranhos, o Visconde do Rio Branco, autor da Lei do Ventre Livre.

A Cana-de-Açúcar foi durante mais de cem anos, a cultura mais importante do Município. Entre 1822 e meados do século XX, a produção açucareira riobranquense passou a ter destaque estadual. O Engenho Central Rio Branco”, fundado em 1885 por Decreto Imperial, mais tarde de propriedade da Societé Sucriére de Rio Branco S/A, mais tarde denominada Usina São João, e depois da Usina São João II foi por mais de cem anos o impulsionador da lavoura, indústria e comércio locais, pois empregavam milhares de pessoas.

Também o café teve sua época áurea no século passado, chegando mesmo a ser exportado para a Europa, através da importante firma comercial de Adriano Telles & Cia. Adriano Telles, era Português e, juntamente com os Irmãos Mesquita, fundou aqui, em fins do século XIX, sua importante casa comercial que foi fator importantíssimo para o desenvolvimento da cidade.

Na segunda metade do século XX, a fase de desenvolvimento foi interrompida devido a inúmeras crises culminando com o fechamento das usinas.

Atualmente o município busca uma nova vocação, através de pequenas e médias indústrias que aqui vêm se instalando. Além de fábricas de móveis, um grande número de confecções, trazem o desenvolvimento industrial da cidade.

Podemos considerar algumas de grande importância como a indústria Rio Branco Alimentos “Pif-Paf”, importante abatedouro de frangos, aqui instalada assim como a fabrica de ração animal emprega um grande número de pessoas; a indústria de sucos naturais “TIAL” com alta tecnologia é de grande importância, pois é conhecida nacionalmente e recentemente temos a AGROFRUIT, que é uma indústria de polpa de de frutas inclusive para exportação.

Também podemos citar a Ceramica Rio Branco da Família Sabioni, a maior ceramica da região e também o Sr. Adylio Sabioni, empresário no qual contribuiu muito para o desenvolvimento da cidade.

No campo político, a história é rica. Dela participaram vultos importantes da História Nacional, como Raul Soares de Moura, que aqui iniciou sua carreira política. Por vários anos, Raul Soares fez Política em Visconde do Rio Branco, aqui residiu e advogou. Manteve também, por muitos anos, em Rio Branco, um Jornal chamado “O Mineiro”. Além de Raul Soares, Carlos Peixoto Filho, Eugênio de Mello, Biolkino Andrade, Dr. João Batista de Almeida, o Vice-Governador Dr. Celso Porfírio Araújo Machado, Wellington Brandão, Dr. Jorge Carone, Jorge Carone Filho, Dr. Antônio Pedro Braga e também de um modo indireto mas muito atuante, Arthur da Silva Bernardes, que foi funcionário da empresa de Adriano Telles. Atualmente um nome expressivo é o do atual Vice-Presidente do Tribunal de Contas do Estado de Minas Gerais, Eduardo Carone Costa, filho do Dr. Aloysio Alves Costa, que foi Presidente do mesmo Tribunal , Deputado Estadual e secretario de Estado.

O primeiro Jornal local foi fundado em 1894 e chamava-se “O Rio Branco”. O “Minas Jornal”, fundado em 1923, teve também grande influência na vida política e social da Cidade por mais de trinta anos. Mais tarde foi a vez de “O Visconde do Rio Branco”, do jornalista Iandir Martins. Hoje a cidade conta com os jornais “Voz de Rio Branco” de Cleber Lima da Silva e “A Imprensa”, de Viçoso Camacho Lacerda.

O Município de Visconde do Rio Branco é muito bem servido de Estradas que o ligam aos principais centros do país como São Paulo, Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Vitória, etc.

A Cidade se orgulha de possuir um Conservatório Estadual de Música com 50 anos de existência, duas bandas de música: Filarmônica Rio Branco e Sociedade Musical 13 de maio, conhecidas em várias regiões de nosso estado. A UNIPAC, uma Faculdade com vários cursos dentre eles: Ciências Contábeis, Administração, Sistemas de Informação e Normal S uperior recentemente instalado, Escolas Públicas Estaduais e Municipais, Colégios de 2° Grau, além de Cursos Pré-Vestibular, um Museu Histórico inaugurado em 26 de setembro de 1992, dotado de rico acervo histórico e artístico. A cidade possui também a Academia Rio Branquense de Letras, reduto dos valores culturais e artísticos desta terra.

Visconde do Rio Branco pode se orgulhar também de possuir uma área de preservação ambiental, a Serra da Piedade, de exuberante beleza natural, convite à prática do turismo e de grande valor historico, mas abandonada pelo poder público.

Um dos pontos marcantes do município, é o número de praticantes do camdoblé, a popular macumba. Em alguns cruzamentos na cidade é possível se observar os conhecidos "despachos". Não há dados oficiais sobre o número de praticantes, mas os visitantes facilmente notam a influência desta religião na cidade.


© TeleListas 2014.
Untitled Page